Até ontem à noite, faltava-me uma experiência básica sobre espetáculos musicais em Porto Alegre, isto é, assistir “Tangos e tragédias” no Teatro São Pedro. Como muitas pessoas, a primeira vez que ouvi falar dos artistas Nico Nicolaiewsky e Hique Gomez foi justamente associados ao “Tangos”. Mas, diferente de outras tantas pessoas, antes de assistir esse projeto que já tem 24 anos, acabei conhecendo outros trabalhos do Nico e do Hique Gomez, sendo que para mim, assistir ao Tangos e Tragédias teve um sentido de síntese, de conclusão.

Tangos e tragédias
Tangos e tragédias

Nico foi um dos integrantes e fundadores do Musical Saracura (1978-1984), importante grupo de músicos formado em Porto Alegre no final da década de 1970, responsável por uma mistura de vanguarda do rock com influências regionais e que já participava em 1979 da festa feita no Araújo Vianna chamada “Explode 80”, para saudar a nova década. Na atração, músicos como Nei Lisboa, também novato na época, e outros mais experientes, como Carlinhos Hartlieb, Raul Ellwanger, Bebeto Alves, a banda Bicho da Seda, entre outros.

Faziam parte do Saracura, além de Nico (voz e piano): Chaminé (baixo e vocais), Fernando Pezão (bateria, hoje Papas da Língua), Sílvio Marques (violão) e Cláudio Levitan (compositor). Em algumas de suas apresentações e  no cd do espetáculo, “Tangos e targédias” executaram a música “Tango da Mãe”, do único álbum lançado pelo grupo em 1982. Além desta música, outros destaques do disco foram “Xote da amizade”, “Bolero lero”, “Flor” e “Marcou bobeira”.

Musical Saracura
Musical Saracura

Abaixo deixamos um vídeo que reproduz um trecho de um clip do Saracura, da música “Nada mais”, no qual aparece Nico.

Além disso, outros projetos marcaram a carreira de Nico, como a ópera-cômica, lançada em cd e quadrinhos, “As sete caras da verdade” (aquela da qual participou Adriana Deffenti, mas também Nei Lisboa) e seus dois álbuns solo. Um homônimo de 1995, com a conhecida “Feito um picolé no sol” e outro em 2008, intitulado “Onde está o amor?”

Nico Nicolaiewsky (1995)
Nico Nicolaiewsky (1995)
Onde está o amor? (2008)
Onde está o amor? (2008)

Hique Gomez lançou seu disco solo em 1994, intitulado “O Teatro do Disco Solar”, cujo show de divulgação conquistou o Premio Açorianos. Também em 2000, o artista recebeu o prêmio pelo conjunto de sua obra. Além disso, foi o idealizador e o ditretor do espetáculo “Rádio Esmeralda”, de grande sucesso e encenado por Adriana Marques e Simone Rasslan.

O teatro do disco solar (2004)
O teatro do disco solar (2004)

Um trabalho mais recente, fora do “Tangos e Tragédias”, foi a atuação e composição da trilha sonora do filme multipremiado “A festa de Margarette”, dirigido por Renato Falcão, além de uma versão de “Língua de trapo” de Teixeirinha para o DVD em homenagem ao cantor.

A festa de Margarette
A festa de Margarette

Abaixo um vídeo da apresentação de Hique Gomez com a Orquestra Sinfônica de Caxias em 2008 com a música “Mundinho”, do cd solo citado acima.

Portanto, um espetáculo que perdura por quase um quarto de século, com dois artistas de trajetórias altamente criativas e qualificadas não poderia ser menos que espetacular!

Com uma performance profundamente interativa com a platéia, o show empolga, faz rir, pensar nas agruras das paixões não correspondidas e, sobretudo, ver o quanto se pode fazer com teatro, dança e música.

Bom, mas mais do que isso não vou falar, para que vejam e sintam por si mesmos. Não que perca a graça, porque muita gente já viu diversas vezes o show e garante contentamento perene, mas para que percebam tudo sem ideias prontas e, mais do que isso, assistam esse espetáculo que nasceu das entranhas do meio artístico porto-alegrense.

Saudações musicais!

Anúncios