Bom, supondo que exista algum leitor que acompanhe regularmente este blog, sinto-me obrigado a justificar a ausência de postagens por quase um mês.

Mas é que, além das inúmeras atividades acadêmicas que um mestrando e bolsista de pesquisa tem o dever de cumprir, ultimamente tenho vivido no campo afetivo coisas que só sabia existir nas músicas que escutava.

Mesmo assim, este post será bem sintético, pois os afazeres da pesquisa estão me exigindo muitas energias.

Quero falar de uma surpresa muito agradável que tive quando escutei um grupo de Curitiba chamado Wandula, classificado como expoente da música contemporânea independente no Brasil.

Wandula
Wandula

Utilizando em suas músicas (que soam para mim como magníficos experimentos) piano, violão, acordeom, entre outros instrumentos, fazem uma música que me agrada bastante, principalmente na sua roupagem minimalista, influenciada, entre outros, por Yann Tiersen e Lhasa, dois músicos que acho formidáveis.

Formado em 1999, o grupo é composto por Edith de Camargo (suíça radicada no Brasil), vocalista e acordeonista; Marcelo Torrone, pianista e tecladista; Claudio Pimentel (violonista); Rafael Martins (guitarrista); J.C.Branco (percussionista); Raphael Buratto (violoncelista clássico), Felipe Ayres (harpista) e Denis Nunes (baixista).

Wandula (2002)
Wandula (2002)
La Récréation (2007)
La Récréation (2007)

São três os CDs lançados: um homônimo em 2002, um “ao vivo” em 2005 e o magnífico La Récréation (duplo) em 2007.

Como prova da música e da trajetória do grupo deixo 5 vídeos: acima as músicas Le Flâneur e Dead Man Wake e abaixo um documentário sobre o Wandula dividido em 4 partes.

Espero que gostem.

Saudações musicais!

Anúncios