A partir de hoje pretendo retomar um ritmo decente de postagens no blog.

Para isso, recomeço com duas dicas preciosas sobre álbuns de MPB em Porto Alegre: Sambô de Renata Adegas e Epahei! de Karine Cunha.

Não quero aqui me arriscar a sintetizar a vasta e qualificada trajetória das intérpretes, já que posso acrescentar informações no blog com o tempo, mas pretendo fazer uma apreciação rápida sobre os CDs citados, amostras excelentes da legítima música brasileira feita na capital gaúcha.

Renata Adegas lançou seu álbum de estréia Sambô em 2008 (mais precisamente dia 26 de agosto) no Teatro São Pedro. Para minha felicidade, eu estava lá, na segunda fila da platéia, com uma grande expectativa, já que tinha escutado e gostado de duas ou três músicas do álbum no MySpace. Para ser franco e direto, foi um show formidável, com uma presença de palco inesquecível da Renata e um acompanhamento não menos excelente de seus companheiros de banda. Uma estréia e tanto!

Renata Adegas
Renata Adegas

Composto de canções que transitam da bossa nova para o samba com naturalidade e vice-versa, o disco representa um ótimo exemplo da MPB feita pela nova geração, mesclando composições próprias da cantora (em parceria com Michel Dorfman) com versões de ótimos compositores, como Gonzaguinha, Fernando Corona e Cláudio Lins.

Sambô (2008)
Sambô (2008)

Das 10 músicas do álbum, que pode ser apreciado inteiro diversas vezes, destaco 6: da parceria Renata Adegas/Michel Dorfman Cara de Pau, muito animada e que no show de estréia foi executada de forma brilhante e Simples, diferente da anterior na sonoridade pela presença apenas de violoncelo e piano acústico no arranjo, resultando numa canção muito bela e emocionante. Além disso, das versões, destaque especial para Recado (Gonzaguinha), Nem depois (Cláudio Lins), Asa delta (Fernando Corona) e Voz Unida (Maurício Tapajós e Paulo César Pinheiro), esta última sintetizando uma homenagem à música brasileira que está presente no álbum como um todo.

Interpretação de "Cara de Pau" no show de estréia do álbum
Interpretação de "Cara de Pau" no show de estréia do álbum

Produzido pelo conhecido e importante músico Geraldo Flach e com participação nas gravações de músicos como Celau Moreyra, Giovanni Berti e do próprio Michel Dorfman, o disco me parece merecer disputar o lugar de álbum de MPB de 2008 pelo Prêmio Açorianos. No entanto, somente concorre Renata Adegas como intérprete, o que já sinaliza um merecido reconhecimento. Mas a disputa será difícil, já que Vanessa Longoni (veja abaixo o post Imperdíveis), com A Mulher de Oslo também concorre na categoria e como melhor disco de MPB.

Abaixo, um vídeo de Renata Adegas interpretando Me deixas louca:

A segunda dica de hoje é o álbum Epahei!, da cantora Karine Cunha. Lançado em 2007, este é o segundo álbum de Karine, que lançou Fluída em 2005 e foi vitoriosa do Açorianos como melhor intérprete.

Karine Cunha
Karine Cunha

Karine também concorreu em 2007 por Epahei! como compositora e intérprete, mas a concorrência era forte, já que o vitorioso foi Vitor Ramil, com Satolep Sambatown (em parceria com Marcos Suzano).

O álbum, produzido por Marcus Bonilla, recebe como título uma palavra yorubá, saudação a Iansã, deusa dos ventos, demonstrando a importância da sonoridade africana na música de Karine Cunha. O disco é composto por canções que mesclam a temática dos orixás e da cultura afro-brasileira com outros temas, alguns relacionados à música platina, como a excelente Milonga do Chegar e Fascínio de Luna. Além destas belíssimas músicas, alguns destaques do álbum são: Canto de Ogum, Viração, Iê Mãe Já!, Por gentileza, Carretéis e Bilhete, música inesquecível sobre o poema de Mário Quintana, demonstrando a capacidade incrível dos músicos de Porto Alegre em escolher e musicar poemas de alta qualidade.

Epahei! (2007)
Epahei! (2007)

Assim, Epahei! oferece uma música madura e demonstra a capacidade incrível de Karine Cunha como compositora e intérprete. Abaixo dois trechos do show de Epahei! (com as músicas Pixaim e Milonga do Chegar) que poderá ser conferido também no dia 17 de abril na Livraria Cultura em Porto Alegre às 19h30min. Mas até lá, vou lembrando os poucos leitores sobre a programação dela e de outros artistas. Quem quiser conferir também um pouco da trajetória de Karine Cunha acesse o sítio eletrônico da revista Zoom RS, que traz um documentário muito bom e outras notícias e reportagens excelentes sobre a música no Rio Grande do Sul. (http://www.zoomrs.com.br/mkarine.html)

Saudações musicais!

Anúncios