É incrível como as coisas acontecem. Em certas épocas a gente escuta um artista até enjoar ou até encontrar outro que também ficaremos escutando de forma ininterrupta. O curioso é que, em diversos momentos, as músicas que ouvíamos tanto não são mais revisitadas e praticamente deixamos elas lá, bem escondidas na memória, num cd perdido ou, mais atualmente, numa pasta de mp3 diluída nos inúmeros gigabytes de memória do computador.

Mas muito bacana é quando, depois de muito tempo, voltamos a escutar as músicas que “nos fizeram a cabeça” em outras épocas e (re)descobrimos que elas são realmente muito boas.

Fui acometido por essa divagação quando soube do show da Monica Tomasi aqui em Porto Alegre (que infelizmente não pude ir). Em 2007, em Santa Maria, assisti ao show do seu último álbum, Quando os versos me visitam (2006), e, gostando muito da artista, ouvi sem parar o álbum citado e também o lançado por Monica em 2003, intitulado Idéias contemporâneas sobre o amor.

Idéias contemporâneas sobre o amor (2003)
Idéias contemporâneas sobre o amor (2003)

Para mim são dois álbuns que facilmente integram minha lista, escassa diga-se de passagem, de bons álbuns de música pop brasileira feitos na última década.

As melodias são muito bem construídas e as letras das músicas demonstram uma riqueza raramente encontrada no estilo. Principalmente tematizando as relações amorosas no mundo contemporâneo, as letras são de uma sensibilidade e atualidade ímpares (algumas em parceria com Fernanda Young). Assim, quando letra e sonoridade te conquistam é difícil escapar da admiração imediata.

Quando os versos me visitam (2006)
Quando os versos me visitam (2006)

Monica lançou em 1990 seu primeiro álbum, Eu Fórica e depois rumou para São Paulo, onde em 1995 lançou o álbum 1, do qual a música Breve estação, incluída também no cd Idéias contemporâneas… fez parte de uma coletânea da qual participaram nomes como Ná Ozzetti e Chico César.

Mas foi realmente nos dois últimos álbuns que Tomasi demonstrou todo o refinamento de sua música, reconhecido por diversos artistas, desde o Cidadão Quem que gravou a canção Bossa, até Nelson Coelho de Castro e o percussionista Giovani Berti que fizeram parceria com a cantora em diversos shows. No último álbum, fizeram participações especiais Marcelo Jeneci (hoje da banda de Arnaldo Antunes)  e o já citado neste blog Angelo Primon.

Abaixo posto 3 vídeos: um da música Quando os versos me visitam, outro do Cidadão Quem interpretando Bossa e o último numa música em parceria com Nelson. Para conferir uma canção do álbum de 2003 veja o post abaixo.

Saudações musicais!

Anúncios