“Aquele ali é o Rolando Boldrin. Um cantor de fundamento!” disse meu pai apontando aquele senhor grisalho na propaganda da tv. Eu como já não suportava mais ver aquela propaganda, desconfiei um pouco do que meu pai afirmara com tanta convicção.

Mas os anos foram passando e meu apreço pela música brasileira fez crescer meu interesse naquele programa da TV Cultura, Sr. Brasil (não peguei o tempo do Som Brasil na Globo!), no qual Rolando Boldrin, além de contar seus causos, apresenta ótimos artistas da nossa música.

Rolando Boldrin
Rolando Boldrin

A partir daí, confiando no bom gosto paterno, procurei as músicas de Rolando e conheci sua empreitada de resgatar e valorizar a música caipira tradicional, como as canções de Alvarenga e Ranchinho, por exemplo.

E foi ontem, no palco do Theatro São Pedro, que tive o imenso privilégio de ver o espetáculo Cara do Brasil, no qual Rolando Boldrin apresentou seus causos e interpretou alguns de seus sucessos. Com uma desenvoltura impressionante, corroborando sua faceta de ator, Boldrin parecia aquele tio que muita gente tem e que conta histórias engraçadas e com conteúdo popular muito interessante.

O cenário, inspirado no programa, representava bem o colorido e a diversidade da cultura popular brasileira, com sua música e religiosidade. Só quem estava lá desfrutou do encantamento de estar integrado àquele Brasil, apresentado pelo paulista “cantadô” de São Joaquim da Barra.

Abaixo dois vídeos, com a ótima Vide-Vida Marvada e com Na hora neutra da madrugada (Rubem Braga), em 1989 no programa Empório Brasileiro.

Saudações musicais!

Anúncios