Há algum tempo estou escutando os dois álbuns da cantora mineira Regina Souza e está mais do que na hora de comentar um pouco sobre eles aqui. Regina, natural de Belo Horizonte, faz parte da cena musical mineira que cada vez mais surpreende pela qualidade de seus intérpretes e compositores.

Foto: Marcelo Coelho

Com uma carreira que mescla a música com o teatro, Regina, além dos seus álbuns autorais,  já lançou e produziu algumas preciosidades, como o cd Hebraico (1998) em parceria com Marina Machado (na qual interpretam canções em hebraico e iídiche) e a belíssima homenagem ao compositor Francisco Mário (de quem é sobrinha) no disco Marionetes (1999), produzido por Marcos Souza.

Seu álbum de estréia, intitulado Regina Spósito (quando ainda adotava o sobrenome materno) é de 2001 e foi produzido por Flávio Henrique, cantor e compositor mineiro de grande expressão. Um dos grandes méritos do cd é que a interpretação marcante e graciosa de Regina e as composições muito bem elaboradas reforçam-se mutuamente, resultando em músicas para se ouvir com grande deleite e atenção.

No repertório, 5 canções inéditas do também mineiro Vander Lee, que demonstra cada vez mais sua habilidade em compor letras que flertam com as virtudes do singelo e da beleza do cotidiano, como em Pra ela passar e Chazinho com biscoito. É dele também Eu não vejo nada, que é um ótimo início para o álbum e uma grande carta de apresentação da voz de Regina. Singela e bonita também é a canção de Sérgio Pererê, Costura da vida, que, de tão simples, faz pensar bastante. Além destas canções, destaque para a sempre confirmada (Elton Medeiros/Tom Zé) e para as composições do produtor Flávio Henrique, Choro do fim do mundo (em parceria com Zeca Baleiro) e O amor (com Makely e Renato Negrão), que não cai em clichês ao tratar deste sentimento tão abordado pelo cancioneiro brasileiro. No vídeo abaixo, trechos da apresentação da artista (com uma entrevista) no projeto Rumos do Itaú Cultural, incluindo canções deste álbum.

No final de 2008, Regina Souza lançou seu segundo disco, Outonos, produzido com grande qualidade, como não podia deixar de ser, por Rodrigo Campello. Demonstrando a sua vontade de imprimir cada vez mais a sua marca nas músicas que interpreta, a cantora compôs 6 das 12 faixas do álbum, em parcerias com Vander Lee, Flávio Henrique, Affonsinho, Lokua Kanza e Zeca Baleiro, na canção Afora a flor, uma das minhas preferidas e que é a trilha do vídeo abaixo. Além destas parcerias, Sérgio Pererê aparece novamente com Mais samba e menos lágrimas. A Estrada, famosa com o Cidade Negra, ganha uma versão muito bonita e, com grande destaque, aparece também a versão de Moska para Desde que te perdí, de Kevin Johansen. Além disso, participações como as do grande percussionista Marcos Suzano e do guitarrista Jr Tostoi, abrilhantam ainda mais o arranjo das músicas.

Com esses dois álbuns Regina Souza com certeza deixa sua marca na música popular brasileira contemporânea e, para quem gosta deste gênero, na minha opinião, deveria procurar escutá-la e aproveitar o talento desta mineira e a beleza de suas canções. Acessem o site de Regina e seu MySpace e aproveitem.

Saudações musicais!

Anúncios