Desde que comecei a comentar sobre minhas preferências musicais neste blog, aprendi coisas muito importantes. Uma delas é de que a noção de “música regional” nem sempre é adequada para caracterizarmos certo álbum ou certa produção musical de um artista.

Como escrevo muito sobre a cena musical de Porto Alegre, seria fácil cair na tentação de vincular a produção musical da capital gaúcha a um padrão específico de regionalidade que explicaria, de forma determinante, todas ou as principais características da música que se faz aqui.

No entanto, ao longo do tempo, fui percebendo que o regional (apesar de elemento importante e incorporado por inúmeros músicos ao redor do mundo de diferentes maneiras) não pode definir cabalmente as experiências de composição musical e de recepção e audição das canções, sejam elas do espaço geográfico e do contexto cultural que forem. Nesse sentido, quero defender que, apesar da diversidade inegável de estilos musicais existentes, a riqueza dessa diversidade só pode ser efetivamente apreciada quando pensada de um ponto de vista mais abrangente, mais universal, sem o preconceito do “exótico”. Isto é, quando ouço algo “diferente” do que até então costumava ouvir, aprecio menos a marca “peculiar” do que a fissura provocada por esse “novo” olhar dentro do universo musical em geral, sinalizando sempre a transformação ininterrupta da criação artística.

E foi esse “diferente universal” que me encantou quando escutei nos últimos meses três álbuns feitos em Pernambuco: Segura o Cordão (2004), do compositor Tiné e os dois álbuns da cantora, compositora e percussionista Alessandra Leão: Brinquedo de Tambor (2006) e Dois Cordões (2009).

O elemento unificador nos três discos é a participação do violeiro e compositor Rodrigo Caçapa como produtor e arranjador das canções. Nestes trabalhos, Caçapa foi muito feliz ao aplicar o método de contraponto nas composições, criando melodias marcadas mais pela polifonia  (já que simultâneas) do que pela harmonia, enriquecendo assim a textura musical e a atmosfera instrumental das letras das canções.

Com 14 faixas, Segura o Cordão possui a maioria das canções compostas por Tiné, como Cobrinha (no vídeo abaixo) e parcerias com o próprio Caçapa (Vento Corredor) e com Nilton Jr. (Segura o cordão), além de letras de outros autores, como Neuza Teixeira e Jaime Silva em O Pato. O resultado é um disco belíssimo que agradou pernambucanos, argentinos e japoneses, como escreveu Caçapa AQUI e com certeza deve agradar você também.

Alessandra Leão, que começou sua carreira no grupo Comadre Fulozinha, já deixou clara a qualidade da sua criação musical nos seus dois álbuns solo. Em Brinquedo de Tambor, as 12 faixas dão vida à música nordestina, principalmente àquela do litoral e da Zona da Mata, onde estão presentes o maracatu, a ciranda, o coco e o samba de terreiro, entre outras belezas rítimicas. Para um comentário mais preciso sobre as características e qualidades do álbum, confiram AQUI o texto de Ricardo Anísio. Abaixo, o disco completo para audição.

Dois Cordões, lançado em 2009, surpreendeu pelos arranjos baseados fundamentalmente em um trio de guitarras elétricas (de 6, 7 e 12 cordas) e no trio de ilús (tambores típicos dos terreiros de candomblé pernambucanos). As músicas do disco, na marioria compostas por Alessandra, são de uma força irresístivel, dando muito certo a combinação dos arranjos de Caçapa com a voz belíssima de Alessandra. Abaixo, o disco completo para audição.

Quando puderem experimentem mais da música pernambucana, pois há outras preciosidades além destes três álbuns comentados aqui.

Saudações musicais!

Anúncios