Entre maio e junho acontece um evento fantástico no Centro Cultural Banco do Brasil no Rio de Janeiro (RJ). O Afrolatinidades reunirá em diversas datas vários músicos da América Latina, dando uma amostra do panorama  musical riquíssimo desse continente cultural que, infelizmente, é muitas vezes desconhecido do público brasileiro, mesmo aquele mais atento à diversidade musical de outros países.

Abaixo, portanto, o release e a programação do evento que, além de imperdível, é um encontro necessário entre os músicos da América Latina e indispensável para o bom e curioso apreciador de música.

AFROLATINIDADES
Um rico panorama da atual música da América Latina
Songoro Cosongo recebe grandes músicos internacionais no CCBB

por Monica Ramalho

Todos aprendemos no colégio que o Brasil faz parte da América Latina, mas será que existe um intercâmbio musical entre os países vizinhos? Deveria – inclusive mais pelas diferenças do que pelas semelhanças, o que promoveria uma troca bastante fértil. Foi pensando nisso que o chileno Arturo Cussen, músico da banda Songoro Cosongo, rabiscou as linhas gerais da série AFROLATINIDADES, a ser apresentada em maio e junho no Teatro II, do Centro Cultural Banco do Brasil. A proposta é traçar um panorama da atual música afro-latina, com atrações nacionais e internacionais, entre elas artistas que nunca se apresentaram no nosso país (caso do legendário Francisco “Pancho” Amat, de Cuba) e outros que já dialogam com o cancioneiro brasileiro há décadas, como o uruguaio Hugo Fattoruso, que gravou com Chico Buarque e Maria Bethânia.

Formada em 2005, no Rio de Janeiro, por músicos da Argentina, Colômbia, Venezuela, do Chile e do Brasil, a Songoro Cosongo será a banda residente de toda a série, em cartaz nos dias 11, 18, 25 de maio e 1 de junho, às 12h30 e às 19h, com ingressos a R$ 6. A banda exemplifica muito bem o mote do projeto, já que cada integrante veio de um país da América Latina. “Vamos ilustrar musicalmente dois países por show, o que é um desafio dos grandes. Penso em repertórios que sejam muito gostosos de acompanhar, seja tocando ou ouvindo”, diz o curador, ele mesmo um estudioso dos ritmos latinos. Arturo Cussen já rodou muitos lugares com a finalidade de pesquisar música. Foi assim, aliás, que pisou em solo brasileiro.

Songoro Cosongo

É interessante notar que a maioria das atrações da série AFROLATINIDADES faz mais shows na Europa do que em seus países nativos. Você também já viu esse filme? Pois é. Acontece o mesmo por aqui. Alguns de nossos melhores instrumentistas estão radicados no exterior, tamanha a oferta de trabalho e o prestígio de seus nomes lá fora. E o mesmo ocorre com os oito elementos do Songoro Cosongo, especialistas em misturar ritmos como salsa, merengue, frevo, choro, jazz e afro-beat para o nosso ouvido ainda destreinado (quiçá por pouco tempo!). AFROLATINIDADES vem aí para desmistificar a verdadeira música latina aos brasileiros. Ao todo, serão quatro shows de riqueza singular, assim distribuídos:

11 DE MAIO
TROPICALIDADE CARIBENHA: CUBA E CENTRO AMÉRICA

CONVIDADOS: FRANCISCO “PANCHO” AMAT E RENÉ FERRER

Pela primeira vez no Brasil, Francisco “Pancho” Amat virá fazer a abertura do AFROLATINIDADES, ao lado da rapaziada do Songoro Cosongo. “Pancho” é compositor, arranjador e um conceituado tocador de Tres Cubano, um violão adaptado para as exigências naturais da música do seu país. “Muito respeitado em Cuba, ele é ‘O’ cara”, segundo Arturo. O mais requisitado intérprete de Tres nas produções locais, já compartilhou acordes com artistas do peso de Cesária Évora, Ry Cooder e Pablo Milanés. O outro convidado destes shows será o cantautor René Ferrer, radicado há quase uma década no Rio de Janeiro, e um legítimo representante da trova cubana. Os gêneros mais tocados neste dia serão SALSA, SON CUBANO e BOLERO.

18 DE MAIO
BATIDAS MISTAS: COLÔMBIA E VENEZUELA

CONVIDADOS: ALINE GONÇALVES E CHEO HURTADO

O Songoro Cosongo vai receber a brasileira Aline Gonçalves, voraz pesquisadora de instrumentos de sopro latinoamericanos autóctones, como a gaita colombiana, similar a um pife, de origem indígena. E o convidado internacional será Cheo Hurtado, exímio tocador do 4 venezuelano – um violão menor, com som percussivo. Dono de uma técnica impressionante, Cheo faz parte do quarteto Ensemble Gurrufio, que interpreta uma música complexa como o nosso choro e, inclusive, está gravando um disco com o bandolinista Hamilton de Holanda. Cheo também atua como solista e ajuda a difundir a música do seu país pelo planeta. Os gêneros da vez serão JOROPO, CUMBIA e PUYA.

25 DE MAIO
CADÊNCIA DOS ANDES: CHILE E PERU

CONVIDADOS: HORÁRIO SALINAS E RICARDO BARTHA

Do Chile, virá o renomado violonista Horário Salinas. Compositor e arranjador com expressiva atuação político-musical nos anos 70, foi amigo pessoal de Violeta Parra e Victor Jara e colaborou com muitos artistas do mundo, como Wynton Marsalis, Peter Gabriel, Mercedes Sosa e John Williams. Sua criação incorpora a condição cultural da América Latina, fazendo uma mistura das tradições espanholas com a música pré-hispânica e a herança africana. É diretor musical do Inti-Illimani Histórico, banda com mais de 30 álbuns no currículo, que esteve no Brasil pela última vez há 17 anos. Já Ricardo Bartha, cantor e líder da banda Negro Mendes, vai representar a musicalidade do Peru. “Ele é um jovem interessante, professor e compositor e tem um acervo gigante de música peruana. Mora no Rio há dez anos”, pontua Arturo. Os gêneros tocados neste dia serão CUECAS E TONADAS chilenas mais LANDÓS e FESTEJOS peruanos.

1 DE JUNHO
CENTROS URBANOS: ARGENTINA E URUGUAI

CONVIDADOS: RENE ROSSANO E HUGO FATTORUSO

O argentino René Rossano toca guitarra no Songoro Cosongo e vai trazer um baú de inéditas para o AFROLATINIDADES. Arturo brinca, dizendo que ele é um raros compositores que não se interessam em registrar a própria obra. Enfim, vamos conhecer esse material ao vivo no CCBB! Em outra época, o tecladista uruguaio Hugo Fattoruso atuou bastante no Brasil e gravou com Hermeto Pascoal, Toninho Horta, Chico Buarque, João Bosco, Maria Bethânia, Naná Vasconcelos, Miúcha, Geraldo Azevedo e Milton Nascimento, entre outros. “É o único convidado internacional que tem um vínculo com o país”, assinala Arturo. Também compositor, arranjador e vocalista, Hugo é um músico fundamental para entender a sonoridade uruguaia. O público vai ouvir TANGOS, MILONGAS e CANDOMBES.

SERVIÇO

ONDE: Teatro II do Centro Cultural Banco do Brasil (Rua Primeiro de Março, 66, no Centro do Rio de Janeiro. Telefone: 3808.2020)

QUANDO: dias 11, 18, 25 de maio e 1 de junho, às 12h30 e às 19h

QUANTO: R$ 6 (inteira), com meia entrada (R$ 3) para estudantes e maiores de 65 anos

PROGRAMAÇÃO

11 de maio
TROPICALIDADE CARIBENHA: CUBA E CENTRO AMÉRICA

Francisco “Pancho” Amat e René Ferrer

18 de maio
BATIDAS MISTAS: COLÔMBIA E VENEZUELA

Aline Gonçalves e Cheo Hurtado

25 de maio
CADÊNCIA DOS ANDES: CHILE E PERU

Horário Salinas e Ricardo Bartha

1 de junho
CENTROS URBANOS: ARGENTINA E URUGUAI

René Rossano e Hugo Fattoruso

Anúncios