A mesma flor que você plantou, você deixou secar
e o tédio da rotina, dos dias sem tentar
fez do nosso amor história, pra viver no seu altar

(Jabu Morales – De olhos bem fechados)

No ano passado, a cantora, compositora e percussionista mineira Jabu Morales lançou seu primeiro álbum solo, intitulado jabu. Na primeira audição que fiz das canções do disco me chamou a atenção uma característica muito importante: a forma com que diversos ritmos musicais eram apresentados com coesão e naturalidade inéditas para minha experiência como ouvinte.

Explicando melhor: mesmo com a diversidade de influências rítmicas e de sonoridade nas músicas de jabu, a maneira como acontece a mistura e a transição entre os estilos soa tão agradável que faz parecer que o mosaico formado por eles não foi formatado, mas originou-se de uma troca mística ou metafísica entre as múltiplas sonoridades.

No entanto, conhecendo um pouco da trajetória da artista, podemos perceber que é mesmo de seus vínculos culturais e de sua sensibilidade  artística que aflora esse mosaico belíssimo do disco. Nascida em Belo Horizonte, Morales teve seus primeiros contatos com a música através da capoeira e aprofundou seus conhecimentos sobre a música popular e o folclore brasileiro a partir de viagens e participações em coletivos culturais, como o Gonguê. Decisivo em sua trajetória foi o contato com o Maracatu de Baque Virado e a experiência no Baque Trovão das Minas. Essas influências foram tão fortes que, atualmente, Jabu dirige o Grupo Maracatu Mandacaru e integra o projeto Tambor de Saia, ambos em Barcelona.

Assim, não é por acaso que essa artista enraizada na pesquisa, no ensino  e na expressão da cultura popular brasileira e de diversas manifestações folclóricas conseguiu mesclar forró, salsa, maracatu, samba e afrobeat de maneira tão descontraída e refinada. Além disso, o álbum (cuja capa é baseada numa pintura lindíssima da artista plástica Eliza Marx) foi dirigido e coproduzido por Mauricio Ribeiro) e teve ótimas participações especiais, como Lenis Rino, Mateus Bahiense, Aline Morales, Rafael Macedo, Analu, Rafael Leite, Daniela Ramos e o incrível Sérgio Pererê.

Abaixo, confiram Gastrotema e De olhos bem fechados, duas canções espetaculares do álbum que mostram o ritmo envolvente e a brasilidade sofisticada da música de Jabu Morales, com sua voz  doce e límpida. Além disso, acessem o site e o MySpace da artista para mais informações.

Saudações musicais!

Anúncios