Uma ótima dica para quem quer conhecer o som dos hermanos uruguayos para além dos artistas comentados aqui (Ana Prada, Daniel Drexler) ou mesmo de clássicos como Alfredo Zitarrosa e Ruben Rada, comento agora sobre a música de Señor Pharaon, a partir de seu disco Siguiendo al rayo, lançado em 2009 pela Little Butterfly Records.

"Siguiendo al rayo" (2009) - Retrato: Federico Borgia. Desenho: Federico Anastasiadis.

Ismael Varela Medina, que faz parte da banda Revolver e já integrou a trupe de Hablan Por La Espalda, criou este projeto de solista e blueseiro adotando o nome artístico de Señor Pharaon, alcunha originada no bairro de La Blanqueada, onde mora, em Montevidéu.

Nessa pérola do blues montevideano, Señor Pharaon apresenta canções em espanhol e em inglês com uma pegada muito característica de uma interessante releitura do blues. Digo releitura porque, além de incorporar outros estilos acústicos, como o Folk e o Country, me parece marcante também, volta e meia, algumas ressonâncias do folklore platino nas suas canções.

A sonoridade emanada dessa experiência criativa relembra o que de mais roots o blues já produziu, principalmente se pensarmos em referências como o estadunidense Robert Johnson e o malinês Ali Farka Touré. Não é à toa que, mesmo baseado fundamentalmente em voz e guitarra, este disco apresente canções com uma diversidade de melodias e nuances próprias dos grandes artistas do gênero.

Talvez a melhor resenha do disco no mundo virtual seja esta do blog Black Beauty, que faz um comentário para cada uma das 10 canções do álbum e de onde eu reproduzo a análise de Blue Red Light, para vocês conferirem abaixo e serem arrebatados pelo blues de Señor Pharaon.

Saudações musicais!

“Blue Red Light”. Lo interesante de este tema es cuando la guitarra y la voz hacen exactamente la misma melodía. Y más aun es cuando la guitarra produce un rasgueo como mariachi mientras que la voz canta gentilmente. Es desoladora y dura. (Texto do blog Black Beauty)

Anúncios