Depois de alguns meses sem atualizações, a seção de entrevistas aqui do blog retorna apresentando aos seus leitores a cantora e compositora portuguesa Luisa Sobral, que lançou em março desse ano seu primeiro álbum, intitulado The Cherry On My Cake.

Com marcante influência do Jazz, da música portuguesa e mesmo de expressões da música brasileira, o primeiro trabalho de Luisa é incrivelmente belo e suave, com um repertório de canções em português e inglês que permite uma percepção diversificada da linda voz da intérprete. Os ótimos arranjos das músicas são também mérito da banda que a acompanha, formada por Filipe Melo (piano), Carlos Miguel (percussão) e João Hasselberg (contrabaixo).

Com apenas 24 anos, a artista demonstra muita competência e criatividade e já fui indicada a diversos prémios de Jazz nos E.U.A. Suas referências nesta  tradição musical passam por Ella Fitzgerald, Chet Baker e Billie Holiday, além de incluir intérpretes tão importantes quanto diferentes, como Björk, Maria João, Regina Spektor e Elis Regina.

Para conferirem mais informações sobre Luisa Sobral, acessem seu site AQUI e prestigiem essa pequena entrevista concedida pela artista com exclusividade para o Música Esparsa.

Saudações musicais!

1) Quais características da tua trajetória artística gostarias de destacar para o público brasileiro conhecer melhor tua música?

Luisa Sobral: Comecei a tocar guitarra, o vosso violão , aos 12 para tocar as canções que ouvia na radio mas acabei por ter mais vontade de compor as minhas próprias canções.

Aos 18 anos fui estudar para a Berklee college of Music em Boston onde terminei o curso superior de música.

Após o curso mudei-me para NY onde tive a oportunidade de conhecer e tocar com músicos incríveis. Enquanto estava em NY fui convidada pela Universal Portugal para gravar o meu primeiro álbum e foi assim que regressei a Portugal.

2) Como está sendo a recepção do seu álbum de estreia The Cherry on my Cake?

Luisa Sobral: Tem sido muito boa. Antes do álbum sair não tinha quaisquer expectativas até porque não é um estilo de musica muito comum em Portugal mas acabou por correr muito bem.

3) Faça um comentário sobre duas músicas do disco, para orientar a audição do leitor.

Not there yet – É o single do álbum. Acho que é uma canção que nos faz sentir bem apesar da história ser triste.

O Engraxador – Primeira canção que escrevi em Português. Fala de um engraxador que sonha em ser actor.

4) Qual é sua relação com a música brasileira, que já incluíste nos teus repertórios em bares? Ela pode ser considerada como uma inspiração no teu trabalho atual? 

Luisa Sobral: Claro que sim. É impossível ser compositora e não admirar alguns dos melhores compositores Brasileiros como o Tom Jobim e o Chico Buarque e é igualmente impossível ser cantora e não admirar a intensidade e entrega da Elis Regina. Todos eles são uma grande inspiração.

5) Deixe um recado para os leitores do Música Esparsa.

Luísa Sobral: Obrigada por lerem a entrevista! Espero que gostem da minha música e espero ver-vos num concerto aí no Brasil!

Anúncios