Ontem completaram-se 2 anos do falecimento da cantora que mais me surpreendeu nos últimos anos. Nascida nos Estados Unidos da Amércia, mas dotada de uma criatividade e de uma musicalidade sem fronteiras, Lhasa de Sela deixou um legado de 3 álbuns de estúdio: La Llorona (1998), The Living Road (2003) e Lhasa (2009) e uma diversidade de performances e interpretações emocionantes mundo afora.

Um sinal de que a sensibilidade artística de Lhasa continua comovendo e que será relembrada por muito tempo é o número de homenagens que desde a sua morte são feitas por seus admiradores. Abaixo, mostro dois exemplos: a canção Snow days for Lhasa, composta  por Patrick Watson e Esmerine (e divulgada dia 31 de dezembro de 2010) e o show feito pelas argentinas Georgina Hassan e Laura Ledesma em homenagem à artista, cuja canção El pájaro pode ser conferida no segundo vídeo abaixo.

Notem que as duas homenagens conseguem captar duas das inúmeras facetas de Lhasa: a primeira, melancólica e soturna; a segunda, graciosa e comovente.

Para concluir essa postagem, no entanto, nada melhor do que ouvir a própria Lhasa de Sela, em um dos registros feitos pelo excelente Vincent Moon em Montreal, no mês de abril de 2009. No vídeo, Fool’s Gold, do seu último álbum, uma das canções mais interessantes sobre os desencontros da vida amorosa: “I don’t miss you much/ Except sometimes early in the morning”.

Saudações musicais!

 

 

Anúncios