Acompanho a trajetória musical do Arthur de Faria e do Omar Giammarco há vários anos. O Arthur, inclusive, através de suas dicas e parcerias, levou-me a descobrir diversos projetos e artistas pelos quais tenho imenso apreço, como Surdomundo Imposible Orchestra, Thiago Pethit, La Chicana, Alessandra Leão, Caçapa, entre outros.

Omar Giammarco e Arthur de Faria (Créditos: Victoria Venturella)
Omar Giammarco e Arthur de Faria (Créditos: Victoria Venturella)

No entanto, a minha dedicação intermitente e amadora a este espaço virtual (consigo escrever apenas quando meu trabalho de professor o permite), gerou uma lacuna imperdoável em um blog que pretende comentar um pouco da cena independente da música popular sulamericana: a ausência de postagens sobre o Arthur de Faria & Seu Conjunto, entre outros projetos vinculados ao músico.

Mas chegou a hora de começar a reverter a situação. Aproveitando a parceria com o argentino Omar, através do lançamento de Música Menor, pretendo a partir de agora ir aos poucos preenchendo a citada lacuna.

Fiquei muito contente quando soube da parceria discográfica entre os músicos, que soma com muita criatividade e qualidade a uma tendência contemporânea de artistas brasileiros (especialmente do sul do país) estabelecerem  parcerias com artistas platinos: não apenas em ensaios, shows e trocas artísticas mais amplas, como mapeado parcialmente pelo ótimo documentário A Linha Fria do Horizonte (Dir. Luciano Coelho), mas também no lançamento de álbuns que têm essa parceria como premissa fundamental: lembro rapidamente aqui do Canciones Cruzadas, do brasileiro Marcelo Delacroix e do uruguaio Dany López.

No repertório do disco, lançado pelo selo Loop Discos, são 10 temas compostos todos por Omar e Arthur que, em duas faixas, contam ainda com a colaboração de Áurea Baptista e Fernando Pezão. Para destacar algumas modestas impressões sobre o trabalho, recomendo a audição de quatro canções, com comentários prévios que justificam minha escolha: Esta Canción, Portuñol, Me Voy Con Los Poetas e Sobre a Terra.

Esta Canción

Gosto muito de metacanções. E nessa, em especial, os artistas conseguiram fazer um ótimo apanhado sobre os limites e possibilidades da canção em suas diferentes características: produção de sentido, performance, visibilidade, etc. Destaque também para a fina e impecável ironia. Na música, participação especial de Fernando Pezão na bateria.

Portuñol

Em um álbum que sintetiza a parceria entre um brasileiro e um argentino não poderia faltar uma abordagem explicitamente focada na “mistura” de referências entre os países, seja nos temas e no idioma, seja na fusão de ritmos. Participação de Ernesto Fagundes (bombo legüero) e Adolfo Almeida Jr. (fagote).

Me Voy Con Los Poetas

Escolhi esse tema porque, além da letra e do arranjo ótimos, tive um devaneio curioso quando a ouvi pela primeira vez: acredito que ela poderia ser o tema principal da trilha de um filme do Woody Allen, se o nosso querido octogenário fizesse as locações em Buenos Aires, por supuesto. Não sei se o devaneio faz algum sentido, mas considerem como um baita elogio! Participação especial de André Paz no baixo e no theremin.

Sobre a Terra

Por fim, uma das músicas mais emocionantes que escutei este ano. Em tempos de angústias e incertezas, pensar sobre as novas gerações de forma tão poética nos deixa com um pouco mais de fôlego para sair por aí enfrentando as intolerâncias do cotidiano. Participação de André Paz no baixo (“bem de leve”, como indicam os créditos).

Parabéns Arthur e Omar, grande disco! Para ouvirem a obra completa, cliquem abaixo e sejam felizes.

Saudações musicais!

Anúncios