Nesta postagem, o Música Esparsa estreia uma nova seção, intitulada Metablog, dedicada a divulgar as ideias e as iniciativas de diversos blogueiros do Brasil dos quais sou leitor frequente e que há muito tempo penso em trazer para os leitores deste blog também apreciarem.

A ideia desta seção, de um blog divulgar outros blogs, não é apenas fortalecer parcerias ou evidenciar um percurso das minhas pesquisas e leituras na rede, mas principalmente convidar autores e editores de blogs independentes para colaborarem com a ampliação da nossa visão sobre cultura, música, arte e comunicação.

Para inaugurar essa iniciativa, convidei Leonardo Davino (professor de Literatura Brasileira da Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ), criador dos blogs 365 Canções e Lendo Canção. Leonardo é autor ainda do livro Canção: a musa híbrida de Caetano Veloso (Rio de Janeiro: Ibis Libris, 2012) e co-organizador do livro Palavra cantada: estudos transdisciplinares (Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014).

Convido os leitores, portanto, a desfrutarem das inspiradoras respostas e reflexões do Leonardo e conferirem os excelentes blogs 365 Canções e Lendo Canção.

Saudações musicais!

Música Esparsa – Quando e por que você começou a se interessar pela escrita sobre música e, especificamente, em divulgar suas ideias através dos blogs 365 Canções e Lendo Canção?

Leonardo Davino: Comecei a me interessar pela escrita sobre canção ainda na graduação em Letras, na UFPB [Universidade Federal da Paraíba]. Fiz parte de um Projeto de Iniciação Científica com o prof. Amador Ribeiro Neto sobre a poesia de Caetano Veloso. Desde então, a interface Poesia e Outras Artes, em especial a canção, tem sido meu objeto de estudo. O blog 365 Canções surgiu da ideia de montar um corpus original para a minha tese de doutorado. Eu queria pensar a canção a partir do acaso (escrever diariamente sobre a primeira canção que eu ouvisse ao ligar o rádio) e das tensões com as teorias até então estudadas, pensar a produção de subjetividades, ou o que tenho chamado de sujeito cancional, a partir da audição de uma canção. O blog 365 foi um exercício crítico-teórico para a tese, portanto. Foi em cima desses pequenos textos diários, escritos ao longo de 2010, que escrevi minha tese, defendida em 2014 (UERJ). O Lendo Canção, por sua vez, é um desdobramento do 365. Os leitores do 365 e eu não queríamos parar de ouvir, ler e escrever, foi então que surgiu o Lendo Canção, onde, sem a mesma periodicidade, até porque não tenho mais o tempo de dedicação exclusiva que eu tinha na época da tese, continuo pensando a canção popular, a poesia vocalizada, as vocoperformances.

ME – Alex Ross, crítico musical dos E.U.A., escreveu o seguinte em um de seus textos: “Eu odeio ‘música clássica’: não a coisa, mas o nome. Ele aprisiona uma arte tenazmente viva num parque temático do passado. Elimina a possibilidade de que música no espírito de Beethoven ainda possa ser criada hoje. Condena ao limbo a obra de milhares de compositores ativos que precisam explicar a pessoas de outro modo bem informadas o que fazem para ganhar a vida. Essa expressão é uma obra-prima de publicidade negativa, um tour de force de anti-propaganda. Gostaria que houvesse outro nome. Invejo o pessoal do jazz que fala simplesmente de ‘a música’. Alguns fãs de jazz também chamam sua arte de ‘música clássica dos Estados Unidos’, e eu proponho uma troca: eles podem ficar com o ‘clássica’, eu ficarei com ‘a música’.” [Escuta só: do clássico ao pop. São Paulo: Companhia das Letras, 2011, p. 19]. Na tua percepção, quais rótulos utilizados atualmente mais atrapalham do que ajudam na relação dos artistas e do público em geral com a música?

LD – Entendo o que Alex Ross diz por uma perspectiva de lugares de escuta e lugares de feitura. A expressão “música clássica” parece contaminada por um lugar de poder distante, elitizado, para poucos. Nesse sentido, sim, a “música clássica”, em contraposição à “música moderna”, à “música contemporânea”, surge mais como um signo de poder social do que como uma tipologia possível. Ainda nesse sentido, a “música clássica” seria feita por e para eleitos sociais, eliminando a possibilidade de ser identificada na “música popular”, outra opositora sua, por exemplo. Diante de um mundo onde as fronteiras entre margens e centros estão a cada instante sendo problematizadas, a expressão “música clássica”, como anota Ross, “é uma obra-prima de publicidade negativa, um tour de force de anti-propaganda”. Mas somos instintivamente fadados aos rótulos. Queremos classificar tudo ao nosso redor. Com a música não é diferente. Particularmente, costumo dizer que trabalho com “canção popular mediatizada”. Sei que é uma expressão ampla, pois a mediação é uma marca de nossos tempos: une clássica, erudita, popular, vanguarda. No entanto, depois de termos artistas como Walter Smetak, Heitor Villa-Lobos, Tom Jobim, John Cage, Naná Vasconcelos, Tom Zé, a Tropicália, o Mangue Beat, entre tantas outras expressões de sonoridade que nublam as definições e os rótulos, penso ser mais produtivo trabalhar com a multiplicidade do que com classificações. É mais difícil, mas é mais digno dos objetos e do tempo atual. Pensemos, por exemplo, como o samba passou da margem para o centro, quais os procedimentos feitos para que houvesse essa (tumultuada) passagem. É assim que penso o funk, o rap, por exemplo. Voltando a pensar próximo a Alex Ross, os rótulos são mais carregados de estigmas sociais de discriminação ou legitimidade do que de conteúdo artístico imanente nas obras rotuladas.

Dica esparsa do Leonardo: Museu (Chico César, “Estado de Poesia”, 2015)

ME – Considero uma frase do André Bazin, citada a seguir, uma importante fonte de inspiração para persistir na divulgação da música independente: “A função do crítico não é trazer numa bandeja de prata uma verdade que não existe, mas prolongar o máximo possível, na inteligência e na sensibilidade dos que o leem, o impacto da obra de arte”. De alguma maneira você também entende a definição do autor para a “função do crítico” (independente de você se considerar assim) como algo próximo do que publica no 365 Canções e no Lendo Canção?

LD – Creio que sim. Como professor de Literatura e pesquisador de Canção, penso que se há uma função do crítico essa deve ser a de iluminar por dentro a obra estudada. Isso faz com que aconteça isso que o Bazin propõe, ou seja, prolongar uma verdade possível (uma verdade estética, já que a Verdade não existe) na inteligência e na sensibilidade (que para mim são faces de uma mesma moeda) do ouvinte/leitor. Mais do que explicar a obra, algo impensável num mundo cada dia mais inexplicável, creio que o crítico deve conversar com a obra, tensionando a verdade ali exposta, refletindo sobre as reverberações dessa obra no exercício cotidiano de viver. Daí que o crítico, tal como Ezra Pound afirmou, também se mostra pelas escolhas – tanto teóricas, quanto artísticas – que faz. Para mim, explicar a obra é silenciar a obra e, consequentemente, o ouvinte-leitor. Se ainda existe uma função para a obra de arte, acredito que essa seja a de provocar pane nas certezas, estimular a dúvida. Portanto, cabe ao crítico, manter a dúvida erguida pela e na obra.

ME – Deixe um recado para os leitores do Música Esparsa.

LD – Dedico-me sobretudo a ouvir canção como quem ouve Sereias. As Sereias, mais do que levar à morte, levavam o ouvinte ao reconhecimento de si, ou seja, à morte do “indivíduo velho” e à revelação do novo, das possibilidades. Meu recado seria afirmar que cada canção guarda (pelo menos) um recado, ouça-lo como Ulisses, sem cera nos ouvidos, para que o nó na orelha (a dúvida estética) possa nos impulsionar para frente, para as possibilidades de reflexão ética da vida e do viver.

Anúncios