Por Chico Cougo

O Música Esparsa certamente existiria sem minha colaboração, mas ter assistido e participado de seus inícios, no retorno de um show, na mui distinta Porto Alegre de 2009, me faz dele um padrinho. O pai da criança, Icaro Bittencourt, além de um sobrevivente nisso que chamamos um dia de blogosfera (e que, acreditem, já foi grande), é dileto amigo de sempre e aqui mesmo já publicamos algumas “tabelinhas” juntos [confiram, por exemplo, as postagens sobre Cintia Barrionuevo e Lucio Arce].

Nada de anormal, portanto, que eu ganhasse uma seção no “ME”, mais ainda agora que abandonei meus projetos blogosféricos de vez (não sou tão cascudo quanto o Icaro). Devo confessar que eu próprio me ofereci para a empreitada, mas isso não diminui em nada a alegria de estar aqui, a bordo desta seção Platinidades – nome, aliás, de uma revista eletrônica que Icaro e eu tentamos emplacar em 2010, mas que durou só um número.

Aqui, no novo espaço, o protagonismo fica por conta da música do Rio da Prata (leia-se: Argentina e Uruguai, vez que outra o Sul do Brasil) em toda a sua magnitude. Do candombe ao folklore, do tango ao rock, da milonga à cumbia. Não há de faltar espaço para a musicalidade platina no democrático Música Esparsa.

A periodicidade das postagens dependerá do autor e do editor – eu e Icaro, respectivamente. A ideia é publicar um novo post a cada quinze dias, pelo menos. A ver se vencemos.

Pra não dizer que não falei das flores, musiquemos um pouco. Fevereiro, no Brasil, é tempo de samba e carnaval. Se engana, porém, quem acha que isso é exclusividade nossa. No vizinho Uruguai tem carnaval também. E do bom. Lá, o tradicionalíssimo candombe substitui o samba como ritmo nativo, mas a festa tem traços parecidos com o espetáculo brasileiro. Ao invés das escolas de samba, lá quem toca o carnaval são as murgas, grupos de atores/atrizes, cantores e músicos reunidos por um roteiro que se assemelha a um musical. Há diversas categorias que classificam o espetáculo, sendo a humorística uma das que mais se destaca. Lá, como cá, as apresentações são avaliadas em um concurso transmitido pela TV, direto do Parque Rodó, de Montevidéu.

Fonte: http://www.otromundoesposible.net
Fonte: http://www.otromundoesposible.net

Nas ruas, desfiles dentro e fora do programa oficial levam milhares de uruguaios e turistas às calles ao som dos tambores murgueros. As murgas contam com torcidas (quase) organizadas, como no futebol. Algumas das mais conhecidas são Falta y Resto, Agarrate Catalina e Don Timoteo. Seus cantores, não raramente, fazem carreira solo depois da consagração no carnaval. Nesse caso, o maior expoente murguero da atualidade talvez seja Tabaré Cardozo, vocalista e roteirista da Agarrate Catalina nos quatro títulos da agrupação, entre 2005 e 2011.

Confira no vídeo a graciosa canção Hugo Chávez na vitoriosa apresentação de Agarrate Catalina, em 2011:

E neste, Falta y Resto canta Volvió la Falta:

iSalute!

Anúncios