É com extremo contentamento que hoje escrevo sobre Dandara Manoela (na imagem acima de João Pedro Dalcegio Varela/REC’n’Play): cantora, compositora e instrumentista que hoje integra o projeto/banda Cores de Aidê e que concorre este ano como melhor cantora no Prêmio da Música Catarinense (você pode votar na artista AQUI).

Dandara percorre com força, habilidade e criatividade uma série de referências marcantes: a arte como visibilidade da diferença e da luta política, a diversidade da cultura afro-brasileira e a criação musical livre e com a rara autenticidade que a torna especial, pois não se furta de tornar explícita a transformação artística da realidade em que está inserida (a partir da sua condição de mulher, negra e artista independente) como matéria-prima de suas criações e performances.

Há poucos anos dedicada à música profissional – seu trabalho de estreia foi como vocalista da banda Seu Baldecir – hoje, além de ser percussionista e vocalista da Cores de Aidê, prepara o seu disco solo de estreia e nos deixa com a sensação de que a música independente através de sua voz, atitude e criatividade terá novos capítulos imperdíveis.

Confiram abaixo a interpretação de Dandara para as músicas Mulher de Luta (de sua própria autoria) e Índia Negra (de Roberta Funchal), as duas a partir de registro impecável da galera da REC’n’Play.

Saudações musicais!

Anúncios